Análise de Produção Animação

Gotoubun no Hanayome e os benefícios de sua nova casa

©Bibury Animation Studio/Negi Haruba

Por mais que muita gente tenha visto com muito receio (inclusive esse que vos escreve) a troca de toda a staff do anime das quíntuplas para a segunda temporada, temos que admitir que, em quesitos de resultado, essa temporada é infinitamente superior.

A primeira temporada de Gotoubun esteve no estúdio Tezuka Productions, nas mãos de uma staff que tirou pouco proveito do que tinha. O engraçado é observamos que um dos episódios com mais identidade visual da primeira temporada, o 11, para ser mais exato, foi feito pelo Shaft — e isso já diz muito.

Mas bem, vamos com calma e por partes, pois quero falar de cada setor que, com certeza, conseguiu entregar muito mais do que o esperado.

Produção turbulenta

Pouca gente deve lembrar, mas a segunda temporada da obra foi anunciada ainda em 2019, não muito tempo depois da boa repercussão da primeira. Contudo, tivemos somente esse anúncio e nada mais na época. Inclusive, muita gente chegou a especular que a sequência seguiria a tendência da primeira temporada, estreando em janeiro de 2020, o que nos foi tirado depois.

Veio então a notícia de que o anime havia trocado de estúdio e com isso a sua staff inteira. Além de tudo isso, a pandemia chegou e com a parada repentina da produção, o anime foi reagendado para janeiro de 2021 quando, enfim, estreou.

Em meio a tantas incertezas, ainda mais de um estúdio que pouca gente tinha ouvido falar até então (quem viu Azur Lane já os conhecia), a preocupação dos fãs aumentou, principalmente com a troca do character design. E é disso que eu quero começar falando!

Um character design mais vívido 

Embora muita gente tenha reclamado da mudança, eu confesso que, logo de cara, gostei bastante. Masato Katsumata (勝又聖人) foi o responsável pelos novos visuais e vale ressaltar que ele é muito talentoso. Outro ponto que há de se destacar é que ele é fã da obra, tanto que fazia fanarts das quíntuplas antes. Isso contou muito para todo o charme e autenticidade que ele passou com o seu trabalho.

©Bibury Animation Studio/Negi Haruba/Masato Katsumata | “Key Visual da segunda temporada”

É claro que questão de visual é bem gosto pessoal, e eu, particularmente falando, achei os personagens muito mais vivos na tela. As expressões ficaram muito mais nítidas e com muito mais harmonia no geral. Isso ajudou muito nas “caras e bocas” e expressões exageradas que apareciam frequentemente e eram muito bem utilizadas pela diretora Kaori.

©Bibury Animation Studio/Negi Haruba | “Exemplo do que quero dizer com caras e bocas!”

O curioso é o que o Character Designer da primeira temporada, Michinosuke Nakamura (中村 路之将), esteve presente na produção dessa segunda temporada como assistente. Ele foi credito como Character Design Assistant. Acredito que tenha sido uma decisão para manter pelo menos a base do que tinha sido feito na primeira temporada e para os fãs não sentirem tão bruscamente a mudança. Além disso, a presença de alguém experiente certamente deve ter dado uma boa confiança para Masato, estreante nessa função.

Vale dizer que Masato ainda atuou como Chief Animation Director durante 8 episódios; além da opening. O que basicamente significa que ele supervisionou e fez correções pessoalmente nesses episódios referidos — mantendo assim a boa consistência de seu design.

©Tezuka Productions/Bibury Animation Studios/Negi Haruba/Michinosuke Nakamura/Masato Katsumata
Direção 

Definitivamente eu não sou fã da direção da primeira temporada de Gotoubun. Satoshi Kuwabara (桑原 智) que esteve a cargo dessa função vital na S1 e, para quem leu o mangá, percebeu que tivemos literalmente um copy/paste das páginas do mangá. Se você perguntar a opinião pública, tem gente que realmente gosta de tudo igualzinho, mas eu penso contrariamente a isso.

O anime é uma adaptação. Sendo uma adaptação, ele tem que ter o mínimo de identidade, como eu posso dizer, de “mão do diretor”. Alguns exemplos disso? Mudar a ordem de alguns acontecimentos, deixar uma cena com um tom mais engraçado (ou mais sério) e por aí vai. Kuwabara não conseguiu mostrar do que realmente é capaz com a S1 de Gotoubun.

Felizmente, ele veio com Adachi to Shimamura em 2020, onde mandou muito bem na função, mas isso é papo para depois.

A segunda temporada ficou a cargo da diretora Kaori (かおり), que possui um excelente timing — principalmente cômico. Em um momento você está vendo uma divertida cena da Miku se declarando e, segundos depois, uma bonita cena de família ali perto (com direito a choro e tudo mais). A transição entre os momentos ela faz muito bem e, como leitor do mangá, devo dizer que a decisão de cortar algumas coisas (como o Maeda se declarando para a Ichika) ajudou bastante, deu mais dinâmica e deixou o material muito mais interessante.

Volto a ressaltar o bom timing que ela tem para comédia, visto que tivemos as personagens muito mas muito mais expressivas do que na primeira temporada. Isso ajuda demais! Principalmente para aliviar os momentos de tensão, que, aliás, tivemos bastantes durante essa S2.

©Bibury Animation Studio/Negi Haruba | “Mais um exemplo das caras e bocas”

Arrisco-me a dizer que a Kaori pegou a essência da obra e conseguiu mesclar isso muito bem. Gotoubun oscila entre vários momentos divertidos e tensos e se essas transições não forem feitas de uma maneira boa, o resultado final é um pouquinho frustrante.

Em outras palavras, a diretora conseguiu fornecer a sua visão, ainda respeitando o material original, claro, mas não meramente copiando e fazendo um trabalho puramente burocrático.

O Departamento de Fotografia In-house do Bibury e méritos gerais da área

No meio da temporada destacamos, no Twitter do Anicafé, o excelente trabalho de composição que vinha sendo feito pelo departamento de fotografia in-house do Bibury. Daisuke Chiba (千葉 大輔), diretor de fotografia dessa S2, que não é in-house, mas que tem uma vasta experiência em outras áreas como a de direção de episódio, por exemplo, coordenou muito bem a equipe, vide o ótimo resultado.

O bom trabalho nos visuais em geral não para por aí, afinal, o Bibury também tem uma ótima equipe de Background Art. Esse é um luxo que muitos estúdios não têm, o que leva a uma grande terceirização desse setor em específico.

©Bibury Animation Studio/Negi Haruba | “Essa cena representa bem o que quero dizer sobre a composição!”
©Bibury Animation Studio/Negi Haruba

A propósito, o pessoal da coloração, junto com o Diretor de Arte, Akihito Ougiyama (扇山 秋仁), conseguiu manter bem a direção que o anime tomou. Mesmo em um arco mais sério, as cores eram mais quentes, mais vívidas (talvez essa seja a palavra mais dita aqui). Gotoubun realmente ganhou bastante “vida” nas mãos do pessoal dessa staff.

Animação

Ora, estamos falando de uma comédia romântica, não tem muita exigência. Bom, pois eu diria que é justamente nesses animes “sem exigência” que abrimos espaço para os maravilhosos character actings. São movimentos cotidianos, mas que chamam à atenção pelo quão bem são feitos.

Percebam toda a sutileza que a Ichika balança, depois senta, dobra as pernas, apoia a sua mão. E ainda temos a brisa balançando sutilmente o seu cabelo.

Que tal uma briga pelo controle remoto? Reparem no ótimo detalhamento na força que as meninas fazem. O bom Storyboard também auxiliou, mas o trabalho do animador certamente foi muito bom.

Essa sequência de choro da Ichika talvez tenha sido a minha favorita durante a série. Aliás, falando de todo o processo de animação da temporada em si, a produção contou com vários animadores do próprio Bibury, um estúdio “chique”, por assim dizer. Em breve teremos uma artigo específico sobre ele.

Em linhas gerais

A obra e os telespectadores principalmente só ganharam com essa mudança. Eu queimei minha língua (e fico muito feliz com isso). O pessoal do Bibury entendeu e, principalmente, comprou a ideia do que é Gotoubun, nos trazendo uma bela adaptação em quesitos de produção. Está longe de ser primoroso, mas certamente é superior a S1 e merece muito reconhecimento por isso.

Gotoubun no Hanayome está disponível no serviço de streaming Crunchyroll.
Leia mais análises de produção.
Confira mais cortes da S2 no Sakugabooru.

Posts relacionados

Análise de Produção: Blue Reflection Ray — Episódio 1

Jacó Neto

Entrevista: Produtor de Animação de Kaguya-sama — Yūichirō Kikuchi [EXCLUSIVO]

Breno Santos

Entrevista: Animador do J.C. Staff — Kenichirō Aoki [EXCLUSIVO]

Breno Santos
error: O conteúdo está protegido !!