Editorial Especiais

O melhor (e o pior) da temporada de outono 2020

©Seven Arcs/Kenjirō Hata

Após uma temporada de outono composta por muitas obras (como sempre), parte de nossa equipe se reuniu para um veredito.

É importante frisá-los do seguinte: somente animes concluídos no outono aparecerão na lista. Obras que continuam, como Jujutsu Kaisen, por exemplo, só ganharão um aval ao seu término.

Observação: a opinião é exclusiva de cada contribuinte do artigo e, da mesma forma que a gente tem a nossa, você tem todo o direito de ter a sua. Discorda? Concorda? Colabore nos comentários!

Victor Neres — parceiro do canal Animeverso
©Production I.G/Hikaru Miyoshi/Ryōsuke Takeuchi

Quantidade de títulos assistidos da temporada: 13

Melhor da temporada: Moriarty the Patriot

As escolhas foram difíceis, mas os melhor, na minha opinião, foi Moriarty the Patriot. O rival do Sherlock mandou muito bem e a animação me agradou, principalmente por ter muitas nuances durante os casos. A aparição de Holmes deixou as coisas mais interessantes também, sem contar que os ideais do “Lorde do crime” pareceram bem convincentes depois de sabermos como os nobres realmente eram.

Segundo melhor da temporada: Akudama Drive

Já o segundo melhor, para mim, foi Akudama Drive, que utilizou de vários artifícios para agradar nossos olhos. A premissa, inclusive, parecia interessante no início e o anime cumpriu com as expectativas. O trabalho com luzes neon, o plot com lutas, o sci-fi e as críticas sociais casaram muito bem; sem contar no desenvolvimento e na evolução dos personagens.

Pior da temporada: Hypnosis Mic

O pior foi Hypnosis Mic, que, apesar de não ser dos piores, apresentou um desempenho sem muitas surpresas. Às vezes eu até esquecia que estava acompanhando-o. Aliás, o 3DFX que foi usado no último episódio não me agradou. Ficou parecendo um jogo de gerações passadas.

Marcelo Almeida — Redator do Anicafé 
©Tezuka Productions/Iruma Hitoma

Quantidade de títulos assistidos da temporada: 22

Melhor da temporada: Adachi to Shimamura

Por mais que não tenha toda a qualidade técnica de Yagate Kimi ni Naru, Adachi to Shimamura é mais um dos ótimos resultados de um romance shoujo-ai. Ambas as personagens têm um desenvolvimento apropriado, que leva em consideração o emocional e a personalidade de cada uma; deixando de lado completamente o fetiche barato que o gênero tem.

Existem alguns problemas, e o ritmo do romance pode ser lento demais para alguns, porém, sem sombra de dúvidas, Adachi to Shimamura foi uma excelente surpresa na temporada, merecendo o destaque, para mim, como melhor anime.

Segundo melhor da temporada: Tonikaku Kawaii

Esse anime é a prova de que a simplicidade pode ser uma das melhores coisas se bem usada.

A obra é leve, sem grandes reviravoltas ou dramas exagerados, mas o romance se desenvolve de uma forma tão gostosa que te encanta facilmente em poucos episódios. O elenco também é bem carismático, e algumas adições no final do anime fizeram a história ganhar um “mistério” bem interessante. Podia ser com tranquilidade o melhor anime da temporada também, se não fosse por questões de gosto pessoal.

Pior da temporada: Kamisama ni Natta Hi

Encontrar algo que vai além da suas exceptivas é sempre memorável. O grande problema é quando isso acontece de forma negativa.

Kamisama ni Natta Hi tinha começado muito bem, com um clima divertido e personagens cativantes, mas tudo isso foi por água abaixo a partir do 4º episódio. Ocorreram adições de personagens de uma forma forçada e totalmente desnecessária. Algo que tentou empurrar “guela abaixo” uma amizade entre o elenco que, simplesmente, não existia.

O drama também se sustenta de forma muito fraca, com ideias que sim, poderiam ser ótimas, mas que não funcionaram pelo que falei acima. Em resumo, para uma obra do mesmo criador de animes como Angel Beats e Charlotte, Kamisama ni Natta Hi deixou muito a desejar, não servindo nem como um entretenimento mediano.

Jacó Neto — Redator do Anicafé 
©Production I.G/Haruichi Furudate

Quantidade de títulos assistidos da temporada: 10

Melhor da temporada: Haikyuu!!: To the Top 2nd Season

O ano de 2020 marcou o retorno do anime de Haikyuu, que não recebia novas temporadas desde 2016. E devo dizer que voltou fazendo barulho, já que contou com mudanças na staff e na identidade visual do anime; o que agradou uns e desagradou outros. Porém, o anime continuou como uma obra de esporte muito bem escrita, aproveitando 100% seus ótimos personagens. A partida contra a Inarizaki foi cheia de momentos incríveis, como o grande desabafo do Tanaka e o resultado de todo o trabalho feito no Hinata durante a obra.

Além disso, mesmo com alguns momentos em que a produção sofreu — muito por conta da COVID, vale dizer — a staff ainda entregou cenas espetaculares, estreladas por animadores de peso como Takashi Mukouda e Sachiko Fukuda.

Aliás, não importa o tanto de problemas, Haikyuu é Haikyuu. Haruichi Furudate, de fato, criou uma obra-prima.

Segundo melhor da temporada: Fire Force 2nd Season

A primeira temporada de Fire Force só engrenou mesmo, para mim, na reta final, e fiquei feliz que eles não regrediram durante a segunda temporada. Muito pelo contrário, o universo ficou mais interessante — por sinal, devo dizer que a forma que o autor trata a religião nessa obra é incrível, com bastantes nuances.

E a produção, que era o ponto alto da S1, continuou a todo vapor na S2, mesmo com a saída do diretor, Yuki Yase. O Katsumi Terahigashi conseguiu continuar muito bem o trabalho que vinha sendo feito, entregando episódios muito acima da média em direção e ação.

Digo, sem medo, que foi um dos animes para TV mais bem produzidos de 2020.

Pior da temporada: Senyoku no Sigrdrifa

Dói-me um pouco ter que colocar Sigururi como o pior anime da temporada, pois eu estava muito animado para ele antes de começar. Afinal, estamos falando de um projeto do autor de Re:Zero, Tappei Nagatsuki; juntamente com o promissor Hirotaka Tokuda como diretor. Porém, o resultado foi bem… “meh”. Apesar de ser bem feito visualmente, a dupla não conseguiu executar a trama de uma forma decente.

Tanto que o que eu mais gostei do anime acabou sendo a belíssima ending, dirigida por Nia Ono, que havia feito anteriormente a ending de Kaguya-sama (não a Chika Chika, a padrão dos episódios mesmo. Bastante underrated, por sinal).

Breno Santos — CEO do Anicafé 
©MAPPA/Hisatoshi Shimizu/Shigeru Murakoshi

Quantidade de títulos assistidos da temporada: 31

Melhor da temporada: Taisou Samurai

Nesse outono, todos os olhos voltados ao estúdio MAPPA eram por causa de Shingeki. Contudo, outra staff já estava trabalhando nesse ótimo anime que, sem duvidas, passou despercebido por muitos.

Repleto de personagens com histórias interessantes, o roteiro conseguiu desenvolver os dramas e entregá-los de uma maneira muito satisfatória. A jornada do “Samurai da Ginástica” é incrível e ver a sua superação durante os episódios foi muito bom.

Há de se destacar o competente uso de CGI durante os dificílimos movimentos da ginástica artística. Apesar de não ter sido o melhor 3DFX, ainda foi bem competente.

Segundo melhor da temporada: Adachi to Shimamura

Essa é uma posição que foi difícil de decidir, pois gostei de muitos outros títulos, porém, Adashima cativou meu coração.

O desenvolvimento lento e repleto de metáforas não é atrativo para a maioria, é verdade, contudo, esse é um ponto que eu adoro. Toda a curva de crescimento das meninas é plenamente visível e é muito satisfatório quando você consegue perceber todos os detalhes dessa evolução.

As lindas composições durante os episódios também contribuíram muito. O trabalho visual foi feito com afinco e a imersão na história se tornou ainda maior por causa desse fator.

Apesar de estar longe de ser um Yagate Kimi ni Naru, Adashima ainda é bem cativante e competente em sua proposta.

Pior da temporada: Munou na Nana

Outra posição disputada na minha lista foi a de pior anime, mas Nana “venceu” essa corrida. Confesso que fiquei empolgado no início com a proposta, só que a execução, pelo menos para mim, deixou muito a desejar.

Os personagens não enxergavam o óbvio na frente deles. Além disso, usaram de um artifício que eu realmente não gosto; tornaram a Nana muito inteligente as custas da “burrice” dos outros. Se a Nana fosse uma mente sensacional por mérito próprio, estaria tudo ok para mim, mas fazer ela “sair na frente” pela ignorância completa do elenco é demais.

O final ainda deixou um gosto amargo por algo que aconteceu com uma das melhores personagens do anime. Enfim, respeito quem tenha gostado (e muita gente gostou), mas Munou na Nana não “desceu” para mim.


Fique por dentro de mais textos dessa categoria!
Alguns desses títulos estão disponíveis nos serviços de streaming Crunchyroll e Funimation.

Posts relacionados

Entrevista: Produtor de Animação de Kaguya-sama — Yūichirō Kikuchi [EXCLUSIVO]

Breno Santos

Jujutsu Kaisen: uma análise da sua adaptação em anime

Ingrid Raisa

Flip Flappers: uma pérola que você devia conhecer

Bruno Valentim
error: O conteúdo está protegido !!